No Whats, juíza Selma Arruda aconselha delegado acionar desembargador no CNJ

A juíza aposentada Selma Arruda incentivou o ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, a denunciar o desembargador Orlando Perri ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por conta de suas decisões referente à “Grampolândia Pantaneira” em 2017. A informação consta no relatório da perícia feita no celular de Jarbas após sua prisão naquele ano por obstrução de Justiça.

“Drº. Rogers tem meu apoio. Sinceramente acho que isso passou dos limites. Vá ao CNJ”, disse em uma das mensagens recuperadas. Rogers responde agradecendo a magistrada e dizendo que sua vida “foi ao chão”, e “que a verdade prevalecerá”.  “Acredito na justiça Drª. A Senhora me faz acreditar na justiça”, completa.

O que chama atenção dos investigadores é que o contato de Selma Arruda era a respeito de cargos que a Sesp teria cedido para a magistrada para atuarem no Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira).  Selma explica que queria “mexer em um dos cargos”.

Jarbas responde com um áudio que não foi recuperado pela perícia da Polícia Civil. Em outro trecho do diálogo entre Selma e Jarbas, a juíza pergunta se teria “algum problema do investigado atestar o ponto de dois cargos que foi cedido pelo investigado, ao invés do CIRA”. Jarbas diz que não vê problema no pedido.

“Estranho que essas solicitações por parte interlocutora, são feitas via conversa pelo aplicativo whatsapp, em horário indicado nas imagens depois das 22HS, em outro trecho da conversa, resta dúvida do porque a interlocutora pede para o investigado atestar o “ponto” dos “dois cargos” que, segundo ela, foram cedidos por ele, aparentemente são de pessoas que trabalham com ela”, diz trecho do relatório da PC nesta conversa.

Rogers Jarbas é investigado pela Força Tarefa da “Grampolândia” por tentativa de obstrução de justiça. Já Selma Arruda deixou a magistratura em 2018 para concorrer as eleições daquele ano.

Selma já tinha sido questionada pelo fato de que na época, ela encaminhou informações solicitadas pelo desembargador Orlando Perri, ao então governador Pedro Taques.

Leia mais no portal FOLHA MAX