SP: Governo deve anunciar plano estadual de vacinação da CoronaVac nesta segunda-feira(07)

O governo de São Paulo anuncia nesta segunda-feira (7) o plano estadual de vacinação da CoronaVac. O cronograma será divulgado em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na Zona Sul da capital paulista, prevista para começar às 12h45.

Produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, a previsão do governo paulista é a que ela possa começar a ser aplicada na população em janeiro de 2021.

A vacina ainda está na terceira fase de teste, em que a eficácia precisa ser comprovada antes de ser liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O envase da matéria-prima recebida na semana passada deve começar a ser feito nesta segunda.

Na semana passada, o governo estadual afirmou que o relatório final dos testes deve ser enviado ao órgão ainda em dezembro e que não deve ser necessário solicitar o uso emergencial da vacina.

Em coletiva de imprensa na última quinta (3), o governador João Doria (PSDB) criticou o anúncio feito pelo governo federal de que o calendário de vacinação nacional deve começar em março de 2021. A CoronaVac ainda não foi incluída no plano do Ministério da Saúde.

Segundo Doria, a vacinação em São Paulo será realizada mesmo sem investimento do governo federal.

“Na segunda-feira (7) vamos apresentar o programa estadual de imunização completo, com cronograma, com setores que são priorizados, volume de vacinas, logística. Todos os processos serão apresentados.”

Público-alvo

Ainda durante a coletiva, o coordenador do Centro de Contingência para Covid-19, José Medina, disse que o plano deve começar pelos profissionais de saúde e pessoas acima dos 50 anos. A campanha tende a ser similar a da gripe, que é realizada anualmente em todo o país.

“Quem tem entre 50, 60 anos, a letalidade é de 3%. E ela é gradativamente subindo quem tem mais de 80 anos, até 80, 89 é de 32% e mais de 90 anos, é de 39%. E esse é o principal critério para a utilização da vacinação. Talvez o principal critério a ser utilizado é a vacinação das pessoas acima de 50 anos. São as pessoas quem têm mais risco, são as pessoas que saturam o sistema de saúde. Além disso, a vacinação dessas pessoas quebra o círculo de circulação do vírus”, disse Medina. Com Assessoria