Bolsonaro pede ajuda árabe para levar produtos nacionais à Ásia

 

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta segunda-feira (19) do Fórum Econômico Brasil e Países Árabes, que visa ampliar parcerias entre as nações em várias áreas, do comércio a programa sociais.

“O Brasil concede especial atenção ao mundo árabe. Pretendemos continuar a estreitar os laços históricos, culturais e de amizade, e aproveitar o enorme potencial que ainda há para ser explorado em vários setores”, disse.

Para Bolsonaro, a relação com os países “se encontra hoje em seu melhor momento histórico”. “Recordo com enorme satisfação a confiança demonstrada pela Arábia Saudita ao anunciar a intenção de investir valores de até 10 bilhões de dólares no Brasil por meio do fundo de investimento público daquele país.” Brasil assina oito acordos bilaterais com Emirados Árabes

O presidente brasileiro, responsável pelo discurso de abertura do fórum, afirmou também que o Brasil pretende aproveitar a infraestrutura dos países do Golfo Pérsico para faclitar a entrada de produtos brasileiros na Ásia. Bolsonaro lembrou que as negociações com as nações árabes movimentaram cerca de 11 bilhões de dólares em 2019 e devem aumentar nos próximos anos. Ele citou que mesmo durante a pandemia do novo coronavírus, a relação se manteve com inúmeros contatos virtuais.

O chefe do Executivo citou que, de fevereiro a agosto de 2020, os 22 países da liga árabe já compraram 4,6 bilhões de dólares de produtos nacionais, quase sempre agrícolas. Em 2019 inteiro o valor ficou em 4,9 bilhões de dólares.

“Já tomamos várias medidas que permitirão o crescimento econômico sustentável após a pandemia. um cenário sem precedentes aos investidores estrangeiros”, declarou Bolsonaro.

O presidente também lembrou que 30 empresas brasileiras possuem escritórios comerciais no Oriente Médio, o que deve facilitar o incremento dos investimentos. Em sua fala, Bolsonaro enfatizou os “laços históricos e culturais” e a “raiz profunda de amizade e colaboração” dos povos árabes com os brasileiros. E citou a ajuda humanitária feita pelo Brasil ao Líbano neste ano, em delegação comandada pelo ex-presidente da República Michel Temer.

Com Assessoria