Governador de Mato Grosso  desiste do VLT para tocar obras do Júlio Muller e HC em Cuiabá

 

O governador Mauro Mendes (DEM) deve priorizar a conclusão da obra do Hospital Central, parada há 35 anos, em detrimento da obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Ele havia declarado na época de campanha, em 2018, que iria encontrar uma solução para o modal de transporte, mas devido as inúmeras ações judiciais, não foi possível encontrar uma saída.

“O que é mais importante para o povo de Cuiabá, o VLT ou o Hospital Central e o Hospital Júlio Müller? Tenho certeza que se bater uma pesquisa, a Saúde está muito em primeiro lugar. Se eu perguntar para Mato Grosso o que eles querem, os hospitais em Cuiabá, os hospitais regionais, a Saúde funcionando ou o VLT?”, disse Mendes, em entrevista na manhã desta quinta-feira (8).

Mauro Mendes ainda disse ter feito dezenas de coisas não prometidas durante a campanha. Segundo ele, existem muitos problemas que não tinha conhecimento e que hoje sabe ‘com profundidade’.

“Um governo [Silval] não deu conta de fazer, o outro [Taques] passou o governo inteiro não conseguiu mexer em nada. Nós estamos trabalhando e teremos uma solução. Eu vou dar uma solução para esse problema do VLT, esse é meu compromisso”, garantiu.

Sobre o Hospital Central, Mendes esclareceu que a obra está programada para 20 meses, mas ainda é preciso aguardar todo o processo de licitação. No mês de setembro, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) começou a analisar as propostas, mas ainda não há previsão de retomada das obas.

Atualmente, já existem 9 mil metros quadrados de área construída e o Estado vai acrescentar mais 23 mil metros de construção.

“Vamos terminar, não por ser dentro do mandato, mas para que haja problemas de continuidade. Vamos fazer todo esforço para que o hospital seja entregue. Será o maior e melhor hospital de alta complexidade do Estado de Mato Grosso”, concluiu.

Com Assessoria