Distrito Federal tem oitavo maior PIB do país

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) disponibilizou no último sábado em sua página na internet a nova edição do Atlas do Distrito Federal. Produzido desde 1984 pela Codeplan, o documento tem por objetivo servir de instrumento para a elaboração de políticas públicas e tomada de decisões pelo governo. Em 150 páginas, o documento traz informações sobre clima, geologia, uso do solo, urbanização e demografia. Além do governo, a população da cidade poderá fazer uso do Atlas para compreender a identidade local. O governador Ibaneis Rocha destacou que “contendo dados ricamente coligidos e sistematizados sobre o clima, a geologia, a vegetação, o uso do solo, a urbanização e a demografia do Distrito Federal, essa edição do atlas estará a serviço de toda a população”.

A versão 2020 do Atlas foi dividida em oito capítulos que explicam a cidade em detalhes. Sob o aspecto socioeconômico o Atlas informa que o DF possui o oitavo maior produto interno bruto (PIB) dentre as unidades da federação e o maior PIB per capita do Brasil. O rendimento mensal médio é de R$ 2.460. A região administrativa cuja renda é mais alta é o Lago Sul, com uma média de R$ 8.317 por pessoa. Já a que possui a renda mais baixa é a Estrutural, com R$ 507 por habitante, em média. Quanto ao Índice de Rendimento Humano (IDH), o DF possui a nona posição entre os 5.565 municípios brasileiros. O setor de serviços tem a maior importância na economia da Capital, com 95,7%, vindo a seguir o setor a indústria, com 3,9% e em terceiro lugar o setor agropecuário com 0,4%, sendo que o setor de serviços engloba oito atividades.

No capítulo dedicado a infraestrutura a Codeplan destacou o abastecimento de água, a coleta de esgoto, o sistema elétrico, o sistema viário, coleta de resíduos sólidos equipamentos de lazer. A rede de abastecimento de água, sob a responsabilidade da Caesb, é composta de 12 sistemas, que em 2018 utilizaram 26 mananciais de superfície e 181 subterrâneos, atendendo a mais de 99% da população do DF. Em 2017, decorrente à crise hídrica, a Caesb implementou os subsistemas de produção de água do Lago Paranoá e Ribeirão Bananal, visando ampliar a produção de água. Ademais, executou interligações com os sistemas Descoberto, Torto/Santa Maria, Sobradinho/Planaltina e São Sebastião e obras para a transferência de água entre os sistemas Descoberto e Torto/Santa Maria.

O Sistema de esgoto sanitário do DF também está sob a responsabilidade da Caesb. É constituído por 15 sub-bacias de esgotamento vinculadas às estações de tratamento de esgoto. Hoje 89,29% da população urbana do DF é atendida com a coleta de esgoto e 87% do esgoto coletado é tratado em nível terciário – quando são removidos os poluentes específicos como micronutrientes (fósforo e nitrogênio). Com relação à energia elétrica, estima-se que 99,04% das residências da cidade são atendidas pela rede de energia elétrica da Companhia Energética de Brasília (CEB). Contando com os 34 municípios que hoje compõem a Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do DF e Entorno (RIDE), baseado no Sendo de 2010, a população é hoje de 3,9 milhões de habitantes.

Capital tem o 73º melhor IDH do Brasil

A secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, disse que o Atlas é for- ma disseminar conhecimento sobre a cidade no âmbito nacional e internacional. “A Companhia re- força seu papel de aproximar suas pesquisas e produtos do seu público alvo: técnicos e gestores públicos, sociedade civil, empresários, empreendedores e pesquisadores, ao mesmo tempo em que responde às demandas da população do DF quanto à transparência e à democratização de dados e informações”, disse o presidente da Code- plan, Jean Lima.

O Distrito Federal ocupa a 73ª posição entre os maiores valores da dimensão Educação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), dentre os 5.665 municípios brasileiros. Das unidades da Federação, o DF possui a menor taxa de analfabetismo e o percentual de habitantes com ensino superior é acima da média nacional.

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Distrito Federal também é acima da média nacional e, para os anos iniciais do ensino fundamental, o DF já ultra- passou a meta proposta para o Brasil, até 2022, de 6.0, que corresponde a um sistema educacional de qualidade, comparável aos países desenvolvidos.

Em relação à educação básica (Educação Infantil, Ensino Funda- mental e Médio) predominam as matrículas na rede pública. O sistema de saúde do Distrito Federal é composto por 169 Unidades Básicas de Saúde e 22 hospitais, dos quais seis são especializados, além de outras unidades de saúde, como policlínicas, Samu e centros diagnósticos.

Da Assessoria