Nova Zelândia adia eleições gerais em um mês após voltar a registrar casos de coronavírus

 

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou neste domingo (16) que as eleições gerais no país serão adiadas em um mês. “Depois de pesar todos esses fatores e fazer amplas sondagens, decidi mover a eleição em quatro semanas para o dia 17 de outubro.”

Originalmente, o pleito seria realizado em 17 de setembro. Segundo Ardern, com o tempo extra, haverá “tempo suficiente para a comissão eleitoral se preparar e para que os eleitores se sintam seguros de uma eleição acessível e incrível”.

Com a decisão de adiar as eleições, Ardern também voltou a convocar o Parlamento do país, que deveria ser dissolvido nesta segunda-feira (17) para permitir a organização das eleições.

Novos casos depois de 102 dias

A decisão de adiar as eleições gerais acontece poucos dias depois de o país voltar a registrar casos de coronavírus depois de 102 dias sem contágios de transmissão local. O país estava com uma vida praticamente normal, sem medidas de distanciamento físico e com a organização de eventos culturais e esportivos com a presença de público.

Após os novos registros de casos, a Nova Zelândia voltou a adotar o lockdown, que já foi prolongado pela primeira-ministra.