Bolsonaro lamenta marca de quase cem mil mortes pela Covid-19 e convoca sociedade a tocar em frente

TOCANDO EM FRENTE

O presidente Jair Bolsonaro disse, em transmissão pelas redes sociais, lamentar as mortes por Covid-19 no país, que devem chegar em breve a 100 mil, mas disse que é preciso tocar a vida e buscar formas de superar o novo coronavírus. “A gente lamenta todas as mortes, está chegando ao número 100 mil… mas vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema”, disse Bolsonaro.

EFEITO COVID

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia foi mais drástico do que o previsto. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Brasil encerrou o segundo trimestre com a maior taxa de desemprego em três anos e redução recorde no número de pessoas ocupadas, como consequência das medidas de contenção da pandemia de coronavírus.

ABENÇOADOS

Por outro lado, cerca de 10 milhões de trabalhadores que conseguiram manter os seus empregos retornaram ao trabalho após afastamento por causa da covid-19. De 12 a 18 de julho, estavam nessa condição 6,2 milhões (7,5% da população ocupada). O número de afastados caiu pela oitava semana seguida. Entre essas pessoas, 8,2 milhões (ou 11,3%) trabalhavam remotamente.

BEM NA PRAÇA

O presidente Jair Bolsonaro continua em alta com policiais militares. Uma pesquisa inédita divulgada pelo UOL mostra que parte considerável dos policiais brasileiros usa as redes sociais para interagir com páginas e grupos bolsonaristas. De acordo com o estudo feito pelo FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) em parceria com a empresa de inteligência de dados Decode cerca de 41% dos praças da PM no país são bolsonaristas roxos.

 BEM NA PRAÇA (2)

Por falar em bem na praça, se a eleição presidencial fosse hoje, o presidente Jair Bolsonaro seria reeleito com 38%, Fernando Haddad teria 14% dos votos, Sérgio Moro ficaria com pífios 10% e Ciro ficaria estacionado nos 6% de intenções de votos que sempre teve. Na pesquisa também aparecem com menos de 5% Henrique Mandetta e João Doria. Pela pesquisa, Bolsonaro lideraria isolado a intenção de votos para o 1º turno da disputa ao Planalto, em 2022. A pesquisa é do PoderData e foi coletada de 3 a 5 de agosto.

GESTO HUMANITÁRIO

Ao que tudo indica o presidente Bolsonaro também vai estar de bem com a comunidade libanesa no Brasil, que é a maior do mundo fora do Líbano. Em contato com a Embaixada do Líbano no Brasil e com a comunidade libanesa em São Paulo, Jair Bolsonaro identificou as necessidades no país e prometeu ajuda financeira. “O Brasil vai fazer mais que um gesto, algo concreto, para atender em parte aquelas pessoas que estão numa situação complicada”, declarou. Foi um gesto humanitário, acima de tudo.

 ACERTIVO

O presidente Jair Bolsonaro deu um importante passo ao assinar a MP que abre crédito extraordinário de cerca de R$ 2 bilhões para viabilizar a produção e aquisição da vacina contra a covid-19. Ao menos, Bolsonaro evitou polêmica ao rejeitar a vacina russa e recomendar a compra da que está sendo desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford. Com isso, caso a eficácia do imunobiológico seja comprovada, o Brasil deverá produzir 100 milhões de doses.

BLINDAGEM

Assessores próximos ao presidente Jair BoIsonaro (sem partido) e a cúpula do governo no Palácio do Planalto estão tentando traçar uma estratégia para blindar o presidente sobre a revelação feita nesta sexta-feira (7) de que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, depositou R$ 72 mil na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Mesmo com o presidente não tendo relação direta com as atitudes do filho, os fatos poderão respingar na imagem do Planalto. Canja de galinha de galinha e precaução não faz mal a ninguém, não é mesmo?