Com pandemia do coronavírus, produção industrial brasileira tem tombo recorde de 18,8%

 

A produção industrial brasileira desabou 18,8% em abril, na comparação com março, conforme divulgou nesta quarta-feira (03) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), evidenciado a dimensão do impacto da pandemia de coronavírus e das medidas de isolamento social na atividade econômica.

“É a queda mais intensa da indústria desde o início da série histórica, em 2002, e o segundo resultado negativo seguido, com perda acumulada de 26,1% no período”, informou o IBGE.

Na comparação com abril do ano passado, a queda foi ainda maior, de 27,2%, o sexto resultado negativo seguido nessa comparação e também o pior resultado da série da pesquisa.

No ano, de janeiro a abril, o setor encolheu 8,2%, e nos últimos 12 meses, passou a acumular retração de 2,9%. Com o tombo de abril, o patamar da produção industrial no país ficou 38,3% abaixo de seu pico histórico, registrado em maio de 2011.

“O resultado de abril decorre, claramente, do número maior de paralisações das várias unidades produtivas, em diversos segmentos industriais, por conta da pandemia. Março já tinha apresentado resultado negativo. Agora, em abril, vemos um espalhamento, com quedas de magnitudes históricas, de dois dígitos, em todas as categorias econômicas”, destacou o gerente da pesquisa, André Macedo.

Perspectivas

No 1º trimestre, a produção industrial registrou queda de 2,6%, na comparação com o 4º trimestre, refletindo apenas os primeiros reflexos da pandemia no país e no comércio exterior. Já o PIB (Produto Interno Bruto) do setor industrial caiu 1,4% nos 3 primeiros meses do ano, na primeira retração desde o 4º trimestre de 2018.

Levantamento da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostrou que o nível de utilização da capacidade de produção da indústria brasileira caiu para 49% em abril. Ou seja, a indústria brasileira operou com metade de sua capacidade de produção.

Os primeiros indicadores de maio apontam que a atividade do setor se manteve em nível crítico. O ICI (Índice de Confiança da Indústria) da FGV (Fundação Getulio Vargas) avançou 3,2 pontos em maio, para 61,4 pontos, mas mesmo assim registrou o o segundo menor valor da série histórica da pesquisa, só ficando atrás da marca de abril (58,2 pontos).

Com a economia à beira de uma nova recessão, os economistas do mercado financeiro reduziram novamente a previsão para o PIB neste ano, conforme boletim ]Focus do Banco Central divulgado na segunda-feira (01).

A projeção passou de queda de 5,89% para um tombo de 6,25% em 2020. Caso a expectativa se confirme, será o pior desempenho anual desde 1901, pelo menos. Já projeção do mercado para a produção industrial em 2020 é de uma retração de 3,59%.

Por Agencia Brasil