Após conquistar apoio do “Centrão”, Bolsonaro mira agora nos parlamentares do MDB.Confira outras informações na coluna JPM desta quarta-feira (20)

ENGENHARIA POLÍTICA

Diante do aumento da pressão nas redes sociais para a abertura de um processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, o Palácio do Planalto faz investidas para ter ao seu lado o apoio irrestrito do MDB. Bolsonaro, ao se aproximar do Centrão, já considera ter 172 votos na Câmara, número suficiente para evitar a abertura de um processo de impedimento. O governo busca agora conquistar os 34 emedebistas para ter folga nas votações.

 

 

ROEU A CORDA

Como já era esperado, a atriz global Regina Duarte não conseguiu se manter no comando da Secretaria Especial da Cultura. A atriz atravessava uma situação delicada por não ter muito diálogo com Bolsonaro e por não apresentar ações práticas em sua área. De um lado o presidente Jair Bolsonaro segurando as rédeas curtas e, de outro, artistas com a faca na garganta da secretária. Agora, a atriz vai comandar a Cinemateca, em São Paulo. Para o lugar dela, o presidente convidou o ator Mario Frias.

 

 

FRASE INFELIZ

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se desculpou por uma declaração feita ontem que foi alvo de muitas críticas. Ele afirmou que a pandemia da covid-19 permitiu que se possa entender a necessidade do Estado para resolver crises. Na frase, dita em entrevista concedida ontem à revista Carta Capital, Lula disse que “ainda bem que natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus”. Hoje, em live no Facebook, ele afirmou que a escolha das palavras acabou gerando o problema.

DESGRAÇA ALHEIA

As denúncias de corrupção e mau uso do dinheiro público durante o estado de calamidade por conta da pandemia de coronavírus estão provocando a reação de senadores. Alguns deles, além de lamentar os escândalos divulgados pela imprensa, estão apresentando medidas legislativas na tentativa de inibir novos casos. A partir de agora, aproveitar-se da desgraça para desviar dinheiro para mim pode ser considerado crime hediondo.

 

 

O GENERAL FICA

O presidente Jair Bolsonaro deixa sinais claros que o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, vai continuar no cargo. O general nomeou mais quatro militares para cargos na pasta, chegando a pelo menos 20 postos de terceiro e quatro escalões oriundos das Forças Armadas no ministério. Na terça, Pazuello já havia nomeado outros nove militares, incluindo o secretário-executivo adjunto, que o substituirá em caso de ausência durante sua interinidade.

CENÁRIO TRISTE

O número de vítimas que a Covid-19 matou na terça-feira chegou a mil em menos de 24 horas. É como se dois Boeing 747 lotados de passageiros caíssem por dia no Brasil. O país se tornou o quinto do mundo a contabilizar tantas vítimas fatais em um único dia, após Estados Unidos, França, Reino Unido e China. Ainda que todos os países citados estejam em momentos distintos no combate à pandemia, a realidade brasileira se aproxima mais do cenário que os Estados Unidos viveram há um mês e meio.

 

 

TARDE COM MICHELLE

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou edital para um concurso que premiará as melhores máscaras feitas por crianças. Os quatro vencedores poderão passar uma tarde em Brasília com a ministra Damares Alves, responsável pela pasta, e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, esposa do presidente Jair Bolsonaro. O concurso tem como objetivo ajudar as famílias no incentivo ao uso da máscara de proteção por crianças para conter a disseminação do novo coronavírus.

WHATSAPP

O Supremo Tribunal Federal julga hoje a legalidade dos bloqueios ao WhatsApp após decisões judiciais. No meio jurídico, a interpretação é que a decisão pode indicar se é possível ou não quebrar o sigilo de mensagens trocadas pelo aplicativo para abastecer investigações criminais. O julgamento foi marcado para esta data pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, e confirmado pelo ministro Edson Facchin, relator de uma das ações a serem apreciadas pelo tribunal.

 

 

PRÓ-CLOROQUINA

O Procurador da República e chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Procuradoria-Geral da República, Ailton Benedito mantém nas redes sociais críticas aos opositores do uso da cloroquina no tratamento inicial do Covid-19. Para o procurador, a grande mídia usa a pandemia do vírus chinês na tentativa de atacar o governo Bolsonaro, “que fechou as torneiras da corrupção que escoavam dinheiro público em direção aos cofres midiáticos”.