REPRESÁLIA POLÍTICA : Por pagamento de emendas, líderes derrubam sessão do Congresso Nacional na manhã desta terça-feira(2).Confira outras informações na coluna JPM de hoje

ALERTA

A briga promete ser boa. Em sinal de protesto, os  líderes da Câmara e do Senado adiaram a realização da sessão do Congresso Nacional, prevista para a manhã desta terça-feira, 3, a O adiamento também serviu para que os parlamentares e os representantes do Planalto terminassem de fechar um novo cronograma de pagamento de emendas prometidas desde a votação da Reforma da Previdência.

BASTIDORES

A coluna apurou  que  enquanto parte dos líderes reunidos no gabinete da Presidência do Senado decidiam adiar a sessão do Congresso para a tarde enquanto o acordo não fosse costurado, um outro grupo se reunia com representantes do governo na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir os termos do acordo.Os parlamentares pressionavam o governo para que pelo menos uma parte das emendas sejam pagas ainda este ano.

AUDITORIA

O Tribunal de Contas da União (TCU) acaba de concluir uma auditoria em emendas constando que recursos destinados por deputados e senadores para financiar obras e programas nas suas bases eleitorais não contribuem para melhorar a vida das pessoas. Na hora em que se decide para onde parte das emendas parlamentares deve ser enviada, necessidades reais da população são ignoradas.

ALIADOS CONTEMPLADOS

Conforme foi amplamente divulgado, parlamentares de partidos do bloco conhecido como Centrão, como PP, DEM e PL, e aliados próximos ao presidente Jair Bolsonaro tiveram a maior quantia de emendas liberadas até agora, No topo da lista está o deputado Pastor Marco Feliciano (Podemos-SP), vice-líder do governo na Câmara e um dos aliados mais fiéis ao Palácio do Planalto.

SEM AUTORITARISMO

Na manhã desta terça-feira, o  presidente Jair Bolsonaro negou a fama de autoritário e frisou que suas decisões são tomadas ouvindo “conselheiros”, do governo e de outros poderes. “Quem sai à guerra precisa de orientação, e com muitos conselheiros se obtém a vitória.” comentou.

MORO DE NOVO

O ministro da Justiça, Sergio Moro, vai tentar convencer o Congresso a acelerar a tramitação dos projetos que estabelecem a prisão de condenados em segunda instância. Ele confirmou presença amanhã em audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que vai discutir o assunto.

DANÇOU

Por manifestar posições contrárias, foi destituída do cargo,  a procuradora federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), Déborah Duprat. Ela teve que abandonar a cadeira  destinada ao Ministério Público Federal no Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), vinculado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos de Damares Alves.

DO CONTRA

Déborah Duprat é crítica de diversas medidas do governo Bolsonaro. Nos últimos meses, a procuradora assinou notas técnicas contrárias ao decreto das armas, à comemoração do golpe militar de 1964 nos quartéis do Exército e até mesmo contra a indicação de Ailton Benedito, que pode agora assumir sua cadeira na ausência de Aras, à Comissão de Mortos e Desaparecidos.

ASSESSOR AMIGO

O amigo pessoal do delator Ricardo Saud, Durval Rodrigues da Costa, implicou o assessor especial do governo de Alagoas, Ricardo Rocha, como o responsável por supostamente receber propinas pagas pelo grupo J&F ao senador Renan Calheiros (MDB-AL). O dinheiro seria destinado à campanha do atual governador do Estado, Renan Filho (MDB), e seria uma contrapartida para o apoio do senador à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência, em 2014.

ATENTADO

A Polícia Federal prendeu, na sexta-feira (29) e cumpriu dois mandados de busca e apreensão, no domingo (1/12), um homem que planejava um atentado contra o presidente Jair Bolsonaro. O suspeito é funcionário terceirizado da Escola de Sargentos das Armas (ESA), do Exército Brasileiro, de Três Corações, em Minas Gerais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *