PESQUISA: Políticos conservadores lideram em popularidade nas redes sociais. Confira outras informações na coluna JPM desta segunda-feira(25)

 UNIVERSO DIGITAL

O noticiário político do país divulga nesta segunda-feira (25) uma pesquisa  da Quast Pesquisa e Consultoria que  aponta  a liderança de nomes políticos brasileiros conservadores  no universo digital e  mais populares nas principais redes sociais do mundo.O presidente Jair Bolsonaro, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e o prefeito da cidade carioca, Marcelo Crivella. estão na ponta da pesquisa. A pesquisa  levantou dados do Twitter, Instagram e Facebook para medir o Índice de Popularidade Digital (IPD).

AVALIAÇÃO

Sobre a popularidade do presidente da República nas redes sociais, o criador da pesquisa, Felipe Nunes, comentou ao Valor que: “Isso reforça a ideia de que Bolsonaro continua alimentando o seu fã clube. É uma popularidade que não está apenas no nível da política e da racionalidade. Ele cultivou por muito tempo um exército de pessoas que o idolatram nas redes. Isso indica que ele vai ficando cada vez mais forte e pode falar apenas para a sua ‘bolha’”.- como replicou o MBL.

EXPECTATIVA

Nesta terça-feira(26), o ministro da Justiça, Sergio Moro, é um dos convidados de audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para debater o projeto que estabelece a prisão de condenados após decisão em segunda instância. O debate ocorrerá na véspera da votação da proposta na CCJ.

CONVIDADOS

Além de Moro, são esperadas as presenças do jurista Ives Gandra da Silva Martins, do defensor público-geral do Rio de Janeiro Rodrigo Baptista Pacheco e do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz Scaletsky. Também foram convidados para a audiência o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Herman Benjamin e o chefe da Assessoria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Vladmir de Freitas.

ARTICULAÇÃO

A relatora do projeto, senador Juíza Selma (Podemos-MT), apresentou relatório favorável à proposta   O texto, que altera o Código de Processo Penal (CPP), foi elaborado após articulação entre alguns senadores e o ministro Sergio Moro

MAIS UM

Vem mais pauta-bomba por ai. O subprocurador-geral da República, Juliano Villa-Verde, defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF) o recebimento integral de denúncia contra o senador Renan Calheiros (MDB-AL) por corrupção e lavagem. Renan é acusado de desvios na Transpetro, subsidiária da Petrobras. O senador nega irregularidades e diz que foi à estatal “uma única vez”.

PRESIDENTE PRESSIONADO

Muito pressionado,  o presidente Jair Bolsonaro tenta reforçar a política de combate à pobreza e reduzir as críticas à área social, considerada um gargalo na gestão. Mesmo em um cenário de restrição fiscal, o Palácio do Planalto mobilizou a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, para ampliar benefícios às famílias de baixa renda.

AGENDA SOCIAL

A preocupação com a agenda social aumentou diante do temor do “efeito Chile”, o primeiro de uma onda de protestos que se espalharam pela América Latina. O governo também busca um plano de ação após o lançamento da agenda de combate à pobreza do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e a libertação de Lula.

PODEROSA

Renata Gil de Alcântara Videira é a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), desde a criação, há 70 anos. Teve também o maior número de aprovação da história: 6.584 votos (80%)

MAIORIA

Em discussão no Congresso, a retomada da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância tem apoio da maioria dos parlamentares. Placar do jornal O Estado de São Paulo aponta 51 senadores e 290 deputados favoráveis à tese – 341, de um total de 594 representantes.

OPINIÃO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a falar de polarização , em sua conta no Twitter. O petista afirmou que é preciso ter coragem de dizer que a legenda é oposta ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

ASPAS

“Nós somos, sim, o oposto de Bolsonaro. Não dá para ficar em cima do muro: somos e seremos oposição a esse governo de extrema-direita que gera desemprego e exige que os desempregados paguem a conta”, escreveu.

ECONOMIA

O mercado financeiro aumentou as projeções de crescimento da economia e da inflação este ano.A previsão de instituições financeiras para a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), subiu de 3,33% para 3,46%, no terceiro ajuste consecutivo.