Alunos de colégios militares não podem disputar Olimpíada de História

A Diretoria de Educação Preparatória e Assistencial (Depa), órgão para apoio técnico-normativo do Departamento de Educação e Cultura do Exército, proibiu a participação de estudantes do Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB) na 11ª Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB). A competição teve início no dia 6 de maio e a última etapa ocorrerá apenas em agosto.

Procurada pelo Metrópoles, a assessoria de comunicação social da Depa confirmou que os alunos não poderão participar da disputa por dois motivos. O primeiro é pelo fato de a competição “não atender à proposta pedagógica do sistema [SCMB]”, na avaliação do Exército. O segundo, por “conflitos com o calendário pedagógico” das escolas militares.

A decisão rompe com uma tradição desses colégios de ter representantes em quase todas as competições de conhecimento realizadas no país e no exterior. Assim, não há registro de não participação das escolas militares em edições anteriores da Olimpíada Nacional de História.

Conflito ideológico
Concordando em conversar com o Metrópoles sem ser identificado, um dos “atletas” brasilienses disse ter sido informado sobre o posicionamento da Depa na última sexta-feira (10/05/2019).

Segundo ele, um oficial responsável pelas atividades extracurriculares teria comunicado a decisão ao corpo docente do Colégio Militar de Brasília (CMB), que repassou a informação oficial aos estudantes. Contudo, um dos professores-orientadores da competição no CMB teria revelado aos alunos o real motivo da não participação: “conflitos ideológicos”. Outros estudantes confirmaram a informação.

Conforme explicaram os alunos, a primeira fase da olimpíada terminou nesse sábado (11/05/2019). Os testes, realizados virtualmente, tinham “uma ou duas questões de identidade de gênero e visibilidade indígena”, segundo detalhou um estudante do ensino médio.

De acordo com os alunos ouvidos pela reportagem, a presença de representantes da unidade de ensino do DF era comum na atividade extracurricular, que conta com seis fases on-line antes da etapa final, marcada para os dias 17 e 18 de agosto, em Campinas (SP). A competição é desenvolvida pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas e tem apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

“Censura”
“Mas isso é normal. O que teve hoje foi censura e isso mostra como o ensino dos colégios militares são, sim, ideológicos”, disparou um dos estudantes. “Inclusive, já chegamos nas etapas finais várias vezes. Fardados e tudo mais”, acrescentou.

Até o momento não houve uma declaração oficial aos alunos dos colégios militares. Eles, inclusive, não sabem como ocorrerá o reembolso da taxa de inscrição, de aproximadamente R$ 30 por estudante.

“Vamos continuar participando até que haja uma determinação oficial, porque é muita falta de respeito com a gente”, desabafou um dos participantes do CMB.

Em nota, a assessoria de imprensa da 11ª Olimpíada Nacional em História do Brasil disse ao Metrópoles que ainda não foi notificada sobre o veto à participação dos alunos dos colégios militares na competição. Além disso, ressalta que “a coordenação da olimpíada não tem qualquer ingerência sobre as escolas.”

Da Redação com informações do Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *