Produção de petróleo do Brasil cai pelo 2º mês seguido em fevereiro

A produção média de petróleo do Brasil em fevereiro caiu 5,4% ante o mês anterior para 2,489 milhões de barris ao dia, no segundo recuo mensal consecutivo, em meio à interdição e paradas para manutenção em plataformas na Bacia de Campos, mostraram dados oficiais da agência reguladora ANP nesta terça-feira (2).

Na comparação anual, a produção média de petróleo no país caiu 4,9%.

“Os principais motivos para a queda em relação a janeiro foram a interdição da plataforma P-43, que opera nos campos de Barracuda e Caratinga, e a parada programada para manutenção da FPSO Capixaba, que opera nos campos de Jubarte e Cachalote”, afirmou a autarquia em nota.

A P-43, que registrou produção de 48.515 em janeiro, ficou interditada pela ANP entre 7 e 28 de fevereiro, após terem sido identificadas “não conformidades críticas”, dentre elas a degradação das bombas de combate a incêndio, segundo a autarquia.

Quanto ao gás natural, a produção brasileira em fevereiro foi de 110 milhões de metros cúbicos ao dia, 2,7% abaixo da de janeiro, mas 0,3% acima na comparação anual.

No total, a produção média de petróleo e gás no Brasil totalizou 3,182 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d).

Somente no pré-sal, a produção totalizou 1,826 milhão de boe/d, queda de 0,6% em relação ao mês anterior e alta de 3,6% se comparada ao mesmo mês em 2018. A participação do pré-sal na produção total nacional em fevereiro foi de 57,4%.

A Petrobras havia informado anteriormente que sua produção havia caído em fevereiro por ocorrências operacionais nas plataformas P-18 e P-20, que operam no campo de Marlim, na Bacia de Campos, e no FPSO Cidade de Angra dos Reis, localizado no campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos. Na ocasião, a empresa não entrou em detalhes sobre as ocorrências operacionais.

Já a Shell, segunda maior produtora do Brasil e principal parceira da Petrobras nos campos produtores do pré-sal, produziu em fevereiro 426.050 boe/d.

Da Redação com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *