NOVO ALVO: Delações põem Banco Regional de Brasilia na mira da Polícia Federal.Confira outras informações na coluna JPM desta segunda-feira(29)

 

POLÍCIA FEDERAL MIRA BRB

O Banco de Brasília (BRB), virou alvo da Polícia Federal que deflagrou hoje (29) operação para investigar esquema de pagamento de propina a diretores e ex-diretores da instituição financeira em troca de investimentos em empreendimentos. De acordo com investigadores, as negociações totalizaram R$ 16,5 milhões ao longo do período em que os envolvidos estiverem à frente de setores estratégicos do banco.Entre os investigados estão o presidente licenciado do BRB, Vasco Cunha Gonçalves, recém-nomeado para presidir o Banco do Estado do Espírito Santo (Banestes), além dos diretores Financeiro e de Relações com Investidores, Nilban de Melo Júnior, e de Serviços e Produtos, Marco Aurélio Monteiro de Castro.

ACERTOS POLÍTICOS

E os bastidores políticos continuam movimentados. O presidente do PSD, Gilberto Kassab, acertou nesta semana a filiação de mais dois senadores, o que deve tornar seu partido o segundo maior do Senado Federal, com dez parlamentares. Devem migrar para a sigla até a data da posse, marcada para sexta-feira, dia 1º de fevereiro, os senadores Nelsinho Trad (MS) e Lucas Barreto (AP), sendo que ambos haviam disputado a eleição pelo PTB.Renan e Simone Tebet apostam em estratégias opostas para chegar à presidência do Senado

REUNIÃO DA BANCADA

A bancada do MDB no Senado se reúne nesta terça-feira (29), às 15h, em busca de um nome para a presidência da Casa. O único consenso é que o partido terá candidato próprio. Os dois postulantes ao cargo – a atual líder, Simone Tebet (MDB-MS), e Renan Calheiros (MDB-AL), que já presidiu o Senado quatro vezes – apostam em estratégias opostas para ganhar a preferência dos colegas.Enquanto Simone faz campanha aberta desde a semana passada, Renan nega publicamente o desejo de comandar a Casa pela quinta vez, mas trabalha nos bastidores. Ao passo que a líder emedebista admite, em conversas com aliados, concorrer mesmo que não seja indicada pelo partido, o senador alagoano diz que só sairá candidato se tiver maioria dos votos na bancada.

SERA QUE RESOLVE?

O Senado deve instalar uma CPI para apurar o rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho. As 27 assinaturas necessárias para abrir o colegiado já estão sendo coletadas. A expectativa é que até sexta-feira (1º), início da nova legislatura, o número seja alcançado sem dificuldades.O processo está sendo conduzido pelo senador Otto Alencar (PSD). Segundo ele, grande parte dos colegas se comprometeram a assinar o requerimento assim que chegarem a Brasília, ao longo da semana. Ele afirma que o objetivo da CPI é apontar responsáveis pela tragédia: “não tenho a menor dúvida de que a Vale, através de ajuda financeira para a eleição, pressionou o governo do Estado para que houvesse a autorização. Esses serão responsabilizados pela CPI”

PROTEÇÃO

Integrantes do GSI confirmam que Bolsonaro segue sob ameaça, sem dar detalhes das medidas adotadas, confirmam que o padrão de segurança adotado pelo presidente Jair Bolsonaro, mais rigoroso do que o dos antecessore. A segurança inclui o emprego ininterrupto de uma pasta protetora à prova de bala, carregada por seus guarda-costas, reforço de bloqueios e controle de acesso no entorno do Palácio da Alvorada, acompanhamento por caminhão tanque de combate a incêndio dos Bombeiros e a montagem de um escritório do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no Rio de Janeiro.

DETALHES

A pasta-escudo aparenta revestimento em couro preto, mas é fabricada em tecido kevlar (aramida), resistente a disparos de armas curtas, segundo fontes ouvidas pela reportagem. Aberta pelos guarda-costas em caso de ataque, ela se desdobra formando uma barreira contra tiros, o que permite encobrir o presidenteIntegrantes do GSI confirmam que Bolsonaro segue sob ameaça, sem dar detalhes das medidas adotadas.

REGUFFE NO PÁREO

Mais um candidato entra na disputa para a presidência do Senado. Desta vez foi o senador pelo Distrito Federal José Reguffe (sem partido) lançou por meio das redes sociais sua candidatura à presidência do Senado. A eleição está marcada para a próxima sexta-feira, mesmo dia em que a Câmara elege seu novo presidente.As candidaturas serão formalizadas no dia da eleição,

CANDIDATOS

Até agora estão colocados pelo menos outros sete nomes, sendo um deles do MDB. Além de Renan Calheiros (AL) – que ainda disputa no MDB a vaga com Simone Tebet – são candidatos Tasso Jereissati (PSDB-CE), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Alvaro Dias (Podemos-PR), Esperidião Amin (PP-SC), Major Olímpio (PSL-SP) e Angelo Coronel (PSD-BA).

 

 

VERGONHA NACIONAL
Desde a tragédia ambiental do rompimento da Barragem do Fundão em 2015, no município de Mariana (MG), em 2015, ao menos seis novos projetos apresentados na Câmara e no Senado propuseram flexibilizar, de alguma maneira, o licenciamento ambiental no Brasil. É o que mostra um levantamento feito na plataforma Inteligov.O mais recente deles, o 168/2018, foi proposto pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO), e dá nova redação ao licenciamento ambiental. Entre as mudanças que foram alvo de críticas por parte de movimentos ambientalistas estão a supressão do parágrafo que obriga Estados a adotarem as mesmas regras de aplicação nacional. O PL também limita o alcance do licenciamento ao fazê-lo se ater somente a área de influência direta dos empreendimentos e não também as indiretas, como consta no texto original.

FISCALIZAÇÃO URGENTE

O governo federal recomendou que sejam realizadas fiscalizações imediatas em barragens pelo país e instituiu um comitê para elaborar um anteprojeto de atualização e revisão da Política Nacional de Segurança das Barragens, de 2010, segundo publicações no Diário Oficial da União desta terça-feira.As medidas vêm após o rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração da Vale em Brumadinho (MG) na semana passada que deixou um saldo de 65 mortos e 279 desaparecidos até o momento.

BOLETIM MÉDICO
O presidente Jair Bolsonaro apresenta boa evolução clínico-cirúrgica após ser submetido na véspera a cirurgia de 7 horas para reconstrução do trânsito intestinal e desobstrução de aderências, informou em boletim médico nesta terça-feira a equipe do hospital Albert Einstein responsável pelo procedimento.”Após procedimento que teve duração de 7 horas, está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e não apresentou sangramentos ou qualquer outra complicação. Permanece afebril e sem disfunções orgânicas. Mantém-se em jejum oral, recebendo analgésicos para controle de dor, hidratação endovenosa e medidas de prevenção de trombose venosa”, disseram os médicos.De acordo com o boletim médico, Bolsonaro segue com visitas suspensas por ordem médica

FRASE DO DIA
“O Senado precisa mudar. Precisamos de um Senado mais transparente e que custe muito menos ao contribuinte do que custa hoje”, afirmou o senador José Antônio Reguffe (Sem partido-DF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *