Federação orienta petroleiros a suspender greve após TST aumentar multa

 

 

 

Da Redação

A  (Federação Única dos Petroleiros (FUP) anunciou nesta quinta-feira (31) que decidiu orientar os sindicatos da categoria a suspenderem a greve de 72 horas iniciada na quarta-feira (30). O recuo aconteceu após o TST (Tribunal Superior do Trabalho) ter aumentado de R$ 500 mil para R$ 2 milhões a multa diária aplicada às entidades sindicais ligadas aos petroleiros que aderirem à paralisação.

“A decisão do TST é claramente para criminalizar e inviabilizar os movimentos sociais e sindicais. Diante disso, a FUP orienta os sindicatos a suspenderem a greve. Um recuo momentâneo e necessário para a construção da greve por tempo indeterminado, que foi aprovada nacionalmente pela categoria”, afirma um comunicado divulgado pela FUP.

 

“Os petroleiros novamente deixam sua marca na defesa da soberania. A luta contra a privatização da Petrobras ganhou a sociedade. A categoria colocou em debate os interesses que pautam a política de preços dos combustíveis, deixando claro o projeto da gestão Pedro Parente de sacrificar o povo brasileiro e a soberania do País para cumprir os ditames do mercado financeiro e das grandes corporações internacionais. Antes do protesto legítimo dos caminhoneiros contra os preços abusivos do diesel, a FUP e seus sindicatos já haviam aprovado uma greve nacional para deter a escalada descontrolada de aumentos do gás de cozinha e dos derivados, cobrando a retomada da produção a plena carga das refinarias e o fim das importações de derivados”, afirma a FUP no comunicado desta quinta.

“A pauta pela mudança da política de preços da Petrobras é de todos os brasileiros, pois diz respeito à luta histórica contra a exploração do País, que desde os tempos de colônia vem tendo seus bens minerais espoliados pelas nações imperialistas. É assim que ocorre ainda hoje com o nosso petróleo. E por isso, a população está pagando preços absurdos pelo gás de cozinha e pelos combustíveis. Os petroleiros saem da greve de cabeça erguida, pois cumpriram um capítulo importante dessa luta, ao desmascarar os interesses privados e internacionais que pautam a gestão da Petrobras”, conclui a entidade

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *