phan vê risco a tombamento de Brasília em reforma de viaduto que desabou no Eixão

O projeto para a construção do novo viaduto na Galeria dos Estados tem risco de ferir o tombamento de Brasília. Os croquis elaborados pelo governo foram levados ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para análise. Para o órgão não dar a palavra final sozinho, a Universidade de Brasília (UnB) foi consultada sobre o risco de ameaça ao ideais da cidade.

De acordo com os esboços do novo viaduto, os oito pilares da estrutura ficarão com dimensões – e desenho – maiores do que o original (veja ilustração acima). Em vez de ficarem com um formato em “Y”, eles vão ganhar em extensão, ficando em um formato mais retangular. O governo afirmou que o projeto ainda está em fase de finalização, mas não justificou o porquê da mudança.

Esse projeto está em análise no Iphan desde 12 de abril. O órgão tem até 90 dias para dizer se ele fere ou não o tombamento. Caso entender que as modificações feitas no projeto original são significantes, o governo terá de se justificar porque uma alteração “só poderá se realizar na perspectiva de promover melhorias e benefícios ao espaço urbano”.

“A preocupação do Iphan, em consonância com os critérios de preservação estabelecidos para a área tombada pelo governo federal, é que não se promova alterações urbanísticas, arquitetônicas e paisagísticas desnecessárias naquele setor”, explicou ao G1 o superindentente do instituto, Carlos Madson Reis.

Nas próprias palavras do Iphan, seria possível reconstruir o viaduto nos mesmos moldes do original. “Acredita-se que, com a tecnologia estrutural de hoje, mais avançada que a da época de sua construção, é possível manter-se à tipologia e à forma arquitetônica original para durar bem mais tempo.”

Além da preocupação com o tombamento, o instituto também tem questionamentos quanto à segurança. “Antes de tudo, o viaduto tem que ser seguro sob o ponto de vista estrutural”, declarou o Iphan.

Consulta à UnB
Oficialmente, o Iphan alega que a consulta aos institutos de engenharia e arquitetura da UnB é um procedimento “natural”. No entanto, professores ligados à análise do projeto do GDF ouvidos pelo G1 dizem que o chamamento foge do padrão.

“Em mais de sete anos em que trabalho aqui, isso nunca aconteceu”, declarou um professor de arquitetura, sob condição de anonimato. “Isso mostra a peculiaridade do assunto”, continuou.

Segundo um professor de engenharia que também preferiu não revelar o nome, a UnB confirmou ao Iphan que o projeto feito pelo governo é diferente do que existia antes da queda do viaduto no Eixão Sul, em 6 de fevereiro.

“Ele não está voltando ao projeto original. O traçado é claramente diferente. Esteticamente falando, seria possível, sim, voltar ao mesmo desenho de antes. Como engenharia, mudaria totalmente. Existem várias outras técnicas e tecnologias, que poderiam trazer um desempenho melhor.”

Até a publicação desta reportagem, os professores da UnB já tinham feito ao menos uma reunião com o Iphan para explicar esses pontos.

Por G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *