Medeiros pede o fechamento das fronteiras brasileiras e defende maiores investimentos em segurança pública

Brasília – Durante pronunciamento, ocorrido nesta quarta-feira (20), o senador José Medeiros (Pode-MT) defendeu melhor gestão e maiores investimentos na política nacional de segurança pública e pediu o fechamento das fronteiras brasileiras. “Precisamos fechar as fronteiras, equipar os estados. Precisamos aperfeiçoar o trabalho das polícias”, afirmou.

Medeiros destacou o estado de Mato Grosso como “importante corredor” do tráfico de armas e drogas, que abastece os grandes centros brasileiros. “Mato Grosso faz divisa de 700km de fronteira seca e de 200km por rios com a Bolívia. Nos últimos cinco meses, quase três toneladas de cocaína pura foram apreendidas em Mato Grosso. Para onde ia essa cocaína? Imaginem essas três toneladas divididas em pequenas porções e espalhadas nos bairros do Rio de Janeiro e de São Paulo. Não há polícia que dê conta!”, enfatizou.

Para o senador, é mais fácil o Brasil combater o tráfico no atacado do que no varejo, protegendo a região de fronteiras. “Eu vejo essas imagens do Rio de Janeiro, de Minas, de São Paulo, em que, vez por outra, essas milícias se digladiam por causa do comércio, por causa do tráfico de drogas, e fico imaginando que toda aquela droga passou pelas fronteiras. Fico preocupado, porque, quando se fala em fronteira no Brasil, causa impressão de que as autoridades de segurança pública só pensam na Região Sul e na Região Sudeste, mas não pensam em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul”.

Bens apreendidos 

Segundo José Medeiros, algumas saídas para o problema seriam a otimização do trabalho das polícias, o equipamento dos estados e a destinação, para estas unidades da Federação, dos recursos obtidos com os bens apreendidos pelas polícias. “Hoje a segurança pública dos serviços essenciais é um dos poucos que não tem fundo algum para se manter. E o que acontece? Quando o cinto arrocha, todo ano acaba sendo contingenciado”, declarou.

Da Assessoria de Imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *