Ondas do tempo trazem músicas de Tetê para hoje no álbum um ‘Outro lugar’

“Hoje passado é presente”, sentencia Tetê Espíndola em verso de Onda do tempo, música composta pela artista mato-grossense em 2014 em parceria com Marta Catunda e lançada em disco após três anos em Outro lugar, 18º álbum dessa cantora, compositora e instrumentista que solta os pássaros da garganta desde a década de 1970. Na poética da letra, o tempo é comparado a uma borboleta com vermelho vitral tocando os pés da menina que ainda canta nessa artista de 63 anos.

Belo álbum lançado neste mês de setembro de 2017 pelo selo LuzAzul, Outro lugarsubverte a lógica do tempo por apresentar registros de composições feitas há anos e até então inéditas. Um poema escrito por Arrigo Barnabé em 1979, por exemplo, virou música ao ganhar melodia composta por Tetê em 2015, gerando Luz e anzol, guarânia de tom bluesy gravada com o toque da harpa paraguaia de Marcelo Loureiro.

Onze das 12 músicas do álbum Outro lugar são inéditas em disco. A exceção – Itaverá, música sertaneja composta por Geraldo Espíndola em 1974 e já gravada na voz do autor – se ajusta ao canto de Tetê, à poética de repertório que faz metáforas existenciais em letras que versam sobre a natureza e à sonoridade desse disco calcado no toque da craviola da artista e gravado sob direção musical conduzida pela própria Tetê Espíndola com Sandro Moreno e Adriano Maggo.

Com informações do G1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *