Como os 50 mil km de viagens em um mês atrapalham a Chapecoense

A Chapecoense tornou-se mundialmente conhecida após o acidente aéreo de 29 de novembro de 2016, que deixou 71 mortos na cidade de Rio Negro, próximo de Medellín, na Colômbia. A fama da equipe catarinense fez com que o clube fosse convidado para disputar alguns amistosos na Europa em agosto deste ano. Com o Campeonato Brasileiro em andamento e os compromissos firmados no Velho Continente, o time terá viajado mais de 50.000km neste mês, sem contar as escalas. A distância equivale a mais de 127 viagens de ida e volta a Goiânia.

Detalhe: com o triunfo do Vitória sobre o Coritiba por 1 x 0 na segunda-feira, a Chapecoense entrou na zona de rebaixamento para a Série B. Está em 17º lugar, com 25 pontos. Na sexta-feira, os reservas enfrentam a Roma, no Estádio Olímpico. Antes, a delegação foi recebida pelo papa Francisco, no Vaticano, nesta quarta-feira (30/8).

A saga do Verdão do Oeste começou em 7 de agosto, quando o time disputou o Troféu Joan Gamper contra o Barcelona, no Camp Nou. Um dia antes, a Chapecoense havia sido derrotada pelo Coritiba, no Couto Pereira, pela última rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Cinco jogadores atuaram tanto em Curitiba quanto em Barcelona: Fabrício Bruno, Douglas Grolli, Luiz Antônio, Túlio de Melo e Arthur, todos titulares ou escalados frequentemente por Vinícius Eutrópio entre os 11.

Com informações do Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *