MP realiza seminário sobre crise hídrica do DF na UnB

Por Gabriela Mestre

 

Com supervisão de Isa Ramos

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) em conjunto com a Universidade de Brasília (UnB), promoveu um seminário acerca dos impactos ambientais da ocupação urbana na capital federal nesta quarta-feira (30). O seminário deu enfoque à necessidade de alternativas mais sustentáveis para a 2° etapa do Setor Habitacional Taquari, na Serrinha do Paranoá, área detentora de diversas nascentes e aquíferos.

Segundo o diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UnB, Professor José Manoel Sanchez, a implantação de setores habitacionais para solucionar a urbanização desordenada nos últimos anos têm acarretado poluição e desperdício de água no DF. No caso da Serrinha, a instalação do Taquari poderá inviabilizar o uso de suas nascentes como fonte de captação de água em Brasília. “Brasília foi vítima do urbanismo predatório, e esse urbanismo predatório que levou à crise hídrica”, afirma o professor.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente (Prodema) recomendou, em março de 2017, que o empreendimento fosse suspendido. Contudo, o diretor técnico da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), Carlos Antônio Leal, afirmou que “esse projeto não interfere em nenhuma nascente da Serrinha” e retrata que o Projeto tem aprovação governamental e regulamentação em cartório.

Durante o seminário, a coordenadora do Zoneamento Ecológico-Econômico do Distrito Federal (ZEE/DF), Maria Silvia Rossi, defendeu a necessidade de que urbanistas atuem para resolver os problemas hídricos atuais. A coordenadora citou exemplos de programas europeus de desenvolvimento urbano sustentável implantados com sucesso, como o “The Biotope Area Factor”, na Alemanha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *