Doçuras à beira-mar: cidade baiana se destaca pela fabricação de chocolates

Quando você pensa na fabricação de chocolate, qual a primeira cidade brasileira que vem à sua cabeça? Muitos devem pensar, quase que instantaneamente, na charmosa, pacata e extremamente fria Gramado, na serra gaúcha, Rio Grande do Sul. O que pouca gente sabe é que vem de um estado bem mais quente, há quase 3 mil km da terra do chimarrão, mais de 70% da principal matéria prima para a fabricação do doce.

O clima agradável e o solo fértil foram essenciais para que o cultivo do cacau se estabelecesse extremamente bem no litoral sul da Bahia. Segundo dados da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), no ano passado, das 146,9 mil toneladas do fruto produzidas no Brasil, 101,3 mil cresceram em lavouras na região baiana. Um dos pontos cacaueiros mais importantes do estado é a cidade turística de Ilhéus, onde o fruto desembarcou em meados dos anos 40 e faz parte da história do município.

Quase tão bom quanto degustar os chocolates ilheenses é conhecer, de pertinho, a fabricação da guloseima. Para isso, grande parte das fazendas responsáveis pela colheita do cacau montam programações especiais para visitantes. Mas antes, um aviso: ainda no hotel, certifique-se de estar com tênis confortáveis, preparado para pisar na lama, e de levar repelente, protetor solar e um boné; itens quase obrigatórios para sobreviver nas plantações.

Um dos destinos mais procurados é a Fazenda Yrerê, na Rodovia Jorge Amado. Quem recepciona os turistas é a Amora, uma Fox Paulistinha extremamente dócil que faz questão de um cafuné. Com mais de 200 anos de história — 140, só de plantio de cacau — o rancho é uma antiga sesmaria doada aos primeiros donos pela coroa portuguesa. Antes do fruto, a principal atividade comercial do local era a extração de madeira; então, o visitante encontra exemplares de praticamente todas as espécies de árvores.

Com informações do Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *