Asteroide que extinguiu dinossauros causou 500 dias de escuridão

O resumo dessa história você está careca de saber. Há 66 milhões de anos, um asteroide de 10 quilômetros caiu na península de Yucatán, no atual território do México, e acabou de um só golpe com um grupo de espécies que, na época, dominava a Terra há mais ou menos 170 milhões de anos: os dinossauros.

A notícia é que agora sabemos mais detalhes do que nunca sobre essa pancada homérica. Em um artigo científico publicado segunda (21), cientistas usam simulações de computador para recriar as consequências climáticas do evento – revelando os “requintes de crueldade” da extinção em massa que, em última instância, abriu espaço para que mamíferos como nós tomassem conta do planeta.

Tudo começou com calor. Muito calor. Um bólido de dez quilômetros faz tanto estrago que uma quantidade considerável de rocha vira vapor quase instantaneamente.

Sim, vapor. Rochas, embora não pareça, também têm um estado líquido e um estado gasoso. O estado líquido não é tão raro assim: você pode observá-lo no interior de um vulcão, de preferência em um dia em que ele não esteja em erupção. Já o gasoso só surge em condições inimagináveis de pressão e temperatura – como uma pancada cósmica desse calibre.

Esse calor todo, é claro, não dura para sempre. O vapor de rocha, aquecido, sobe. Quando alcança as camadas mais altas da atmosfera, esfria e volta ao estado sólido, dando origem às esférulas: bolinhas de rocha recém-solidificada que caem feito chuva sobre o planeta.

Durante a queda, o atrito com o ar aquece essas partículas – que atingem a superfície em quantidade e temperatura suficientes para causar incêndios florestais de grandes proporções.

Daí em diante, a noite foi uma criança. Para ser mais preciso, uma interminável criança de um ano e meio. Com quase toda a área verde da Terra em chamas, 15 milhões de toneladas de fuligem bloquearam a luz do Sol por mais de 500 dias. A temperatura média, na superfície, caiu 28ºC – nos oceanos, foram “só” 11ºC.

Com informações do Super Interessante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *