Sobre os juízes no Mato Grosso

 

Todos adoram falar sobre os salários dos juízes, nas mídias e redes sociais. Salários que nem sempre correspondem à realidade, por se tratar de soma de atrasados ou venda de férias. Na verdade, ninguém quer saber a realidade.
Ninguém faz matérias sobre os juízes em suas primeiras Comarcas no interior do Mato Grosso. Nessas Comarcas eles ficam normalmente uns 6-7 anos e no total mais de 12 anos no interior.
Nesses primeiros anos têm que julgar todo tipo de processo, têm que ser diretor do fórum, geralmente têm que trabalhar sem pessoal, sem material, até com falta de computadores.
Ninguém vê um juiz que tem que alugar uma casa tão ruim, que tem que calçar a porta com uma cadeira para que ela feche.
Um juiz que trabalha mais de 10 horas por dia e ainda é procurado na própria casa meia-noite pelo conselho tutelar com menores dentro do carro perguntando o que fazer com eles.
Ninguém faz matéria do juiz que tem que ir lá na cadeia conversar com os presos todos os meses e tentar manter uma cadeia sem rebelião mesmo ela estando super lotada, mesmo não sendo responsabilidade do juiz fazer gestão de unidade prisional.
Ninguém vê os projetos sociais que os juízes fazem pra tentar reintegrar os presos na sociedade e para melhorar a segurança pública.
Ninguém vê o juiz que doa dinheiro do próprio bolso pra fazer o muro da cadeia.
Ninguém vê o juiz que não pode simplesmente sentar em um bar e bater papo com amigos tomando um chopp, sem se preocupar com o que vão falar da sua conduta.
Ninguém vê os amigos que o juiz não pode ter e os convites que não pode aceitar.
Ninguém vê o juiz que passa todo o final de semana em casa praticamente confinado, algumas vezes sem a própria família por ter que mandar os filhos estudarem em outras cidades.
Ninguém vê os relacionamentos que terminam pela distância e a precariedade das cidades.
Ninguém vê os cônjuges que por optarem pelo sucesso familiar abrem mão da sua vida profissional para acompanhar os maridos e esposas em cidades precárias com menos de 15 mil habitantes por mais de seis anos.
Ninguém vê o juiz que tem sua casa crivada de balas para ser intimidado por traficantes de drogas.
Ninguém vê o juiz que tem que viajar mais de 200 km pra fazer as compras do mês em cidades com mais recursos.
Ninguém vê o juiz que não tem um simples pão francês pra comprar na sua cidade.
Ninguém vê o juiz que tem que substituir em várias comarcas e usar seu próprio carro andando muitas vezes em estradas de chão perigosas como nas cidades de divisa com a Bolívia sem escolta alguma e sofrendo ameaças.
Ninguém vê o momento que o juiz tem que condenar um jovem que parece apenas uma criança pelos crimes que ele cometeu e o ver chorando e suplicando para que não acabe com a vida dele.
Ninguém vê um juiz que tem que tirar um filho da mãe pela própria segurança da criança.
Ninguém o vê sentindo angústia por ter que ouvir o relato de um estupro de uma criança pelo próprio pai.
Ninguém está ali para apoiá-lo quando o preso que ele condenou devidamente se suicida na cadeia.
Ninguém está vendo quando perde um filho por não o seguir chegar a ter tempo em uma cidade com recursos.
Ninguém está vendo quando ele não pode velar alguém da família.
Ninguém está vendo quando ele está preso na estrada de terra deserta que vai para sua longínqua comarca com o carro atolado e com dois bebês.
Ninguém está vendo quando ele é mandado de uma cidade para outra em menos de três meses. Ninguém esta vendo quando seus filhos choram por não quererem trocar de cidade, de escola, de amigos e ele não tem escolha por estar recebendo ordens.
Ninguém está vendo quando ele escolhe não mandar o filho para a escola no dia da homenagem aos pais ou mães por ele não poder ir porque não pode cancelar as audiências.
Ninguém vê os consultórios de cardiologias e gastroenterologista cheio deles tendo que se entupir de remédios para amenizar os sintomas de doenças acarretadas pelo stress e vida sedentária.
Ninguém vê quando ele tem que ficar na U.T.I e fazer um cateterismo com 30 anos em decorrência do stress.
Ninguém vê a decepção que ele carrega quando o trabalho dele não é reconhecido.
Ninguém vê as horas de estudo, as privações e as angústias que são parte da vida de um juiz.
Ninguém vê as metas sobre-humanas que ele tem que alcançar.
Em todas as profissões existem bons e maus profissionais.
Não acredite em chamadas de manchetes, não acredite em tudo que lê.
O fato é que os juízes estão julgando muitas vezes aqueles que estão por detrás dos meios de comunicação e estes estão lutando para desmoralizar e enfraquecer a magistratura no Brasil inteiro.
Temos o terrível exemplo do nosso país vizinho Venezuela onde os juízes vivem amedrontados e perderam a autonomia de suas decisões.
Estamos recebendo todos os dias pelas nossas fronteiras Venezuelanos desesperados.
Maledicência e inveja são características de covardes e perdedores, não podemos acreditar sem analisar a realidade das coisas que saem na mídia.
Um juiz demora anos para passar em um concurso concorrido estudando em média de 10-14 horas por dia, esquece os finais de semana, férias,feriados, amigos e até a família.
Qualquer um pode ser um juiz, basta ter muita dedicação, coragem para desistir de muitas coisas e extrema coragem para assumir todas as responsabilidades que estão por detrás de um “bom salário”. #euapoioamagistraturadomt #juizesunidos “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *