Veja 10 programas e destinos para curtir o verão europeu como um ‘local’

Não espere encontrar muitos parisienses em Paris durante o auge do verão –exceto aqueles que trabalham em atividades turísticas. O mesmo vale para os madrilenhos em Madri ou para os lisboetas em Lisboa, por exemplo. Para onde vão quase todos eles? Passar as férias de verão em lugares frequentados pelos europeus que vivem nas metrópoles, em especial, e que procuram escapar dos turistas que se dirigem às suas cidades. No fim, encontram outros turistas como eles.

Andros (Grécia)

É comum lembrar em primeiro lugar de Mikonos quando o assunto são as praias da Grécia. Mas os turistas descolados da Europa sabem que a ilha mais tranquila e paradisíaca do país é a de Andros, que fica a duas horas de Atenas, a capital grega. Não espere pela tradicional agitação de verão, com gente circulando por todos os lados. Andros não tem discoteca, muito menos recebe celebridades em férias. Sua principal atração são as praias desertas de areias douradas e águas cristalinas e um magnífico pôr do sol, além de ambiente perfeito para a prática de esportes radicais. Mas a cultura grega pode ser apreciada também em caminhadas demoradas pelas ruas históricas da ilha e em visitas a monastérios.

Rügen (Alemanha)

Quer um pouco do que o Nordeste brasileiro oferece em pleno coração da Europa? Pois a maior ilha da Alemanha -no norte do país, nas mesmas águas mais quentes do Báltico que banham a Dinamarca e o sul da Suécia- tem tudo para satisfazer o turista que procura por sol, praias e caipirinha: com sorte, pode-se encontrar uma barraca verde e amarela mantida por brasileiros. Há ainda ótimos spas por ali. Fique atento a dois tipos distintos de praias: aquelas para turistas com roupas, ainda que sumárias, e as demais, para nudistas, muito numerosos na Alemanha.

Bretanha (França)

A região mais rural e agreste da França tem ainda uma maravilhosa faixa litorânea, com belas praias e ilhas no Atlântico, transformando-a no local que talvez concentre a maior variedade de opções turísticas do país. Como em todo território francês, pode-se mergulhar em passeios históricos, conhecendo castelos e igrejas, ou simplesmente perder-se, com um carro, pelas suas pequenas vilas e cidades de campo, com uma culinária regional e ótima oferta de vinhos, como Pontilly, Huelgoat e Le Faouët, as três bem no coração da Bretanha. Parques oferecem locais para a prática de esportes radicais. A região agrada a turistas de diversos perfis, de solteiros aventureiros a famílias com crianças.

Dolomitas (Itália)

A cadeia montanhosa que fica no norte da Itália faz parte dos Alpes e tem diversas cidades e vilarejos simpáticos espalhados por seus vales, cercados por montanhas nevadas, como Bolzano, Belluno e Cortina D’Ampezzo. Região de paisagem deslumbrante, é ideal, no verão, para longas caminhadas. Alguns de seus parques são patrimônio universal e, por isso, protegidos pela Unesco. Um circuito de museus com mais de 30 diferentes unidades explora os aspectos históricos e culturais. Mas, se estiver disposto a simplesmente descansar o olhar sobre a natureza, você terá a sensação de estar num dos pontos do planeta em que as montanhas mais se aproximam do céu, como se fosse possível, lá de cima, tocá-lo com as mãos.

Galícia (Espanha)

Um bom motivo para conhecer essa região da Espanha no verão é escapar das chuvas contínuas e chatas que caem, principalmente, no inverno. Espanha? Bem, geograficamente sim, mas culturalmente o que se encontra ali é uma espécie de fusão entre o que os espanhóis e os portugueses têm de melhor, com um idioma (o galego) que se aproxima do português. Vigo e La Coruña são as principais cidades. Não faltam praias, onde se pode comer alguns dos melhores frutos do mar da Europa, e parques (o principal é o Parque Nacional das Ilhas Atlânticas). A área litorânea é também uma parada estratégica -e um bom motivo para esticar a viagem, na ida ou na volta- para os que planejam fazer o Caminho de Santiago.

Gotland (Suécia)

Escandinavos em busca de praias, de esportes náuticos, de trilhas e de outras atividades relacionadas à natureza costumam estragar a paz habitual dessa região, muitos deles com seus enormes motorhomes e trailers. A ilha de Gotland oferece também a oportunidade de fazer passeios por cidades históricas, como o centro medieval e muito bem preservado de Visby, a principal cidade da ilha de Gotland, onde está o aeroporto e também o terminal dos barcos que saem de Estocolmo, a capital sueca. A exótica ilha de Faro, onde viveu (e por vezes filmou) o diretor Ingmar Bergman dos anos 1960 até a sua morte, em 2007, é acessível apenas por balsa, mas compensa a jornada com sua paisagem rochosa que, ao norte, tem praias de areia.

Serra do Gerês (Portugal)

Turistas brasileiros em Portugal costumam se concentrar em Lisboa (a capital, com inúmeras referências históricas significativas para nós), no Porto (a principal e charmosa cidade do norte) e nas praias do Algarve, no sul. Uma maneira de fugir desse roteiro já consagrado é incluir na viagem o Parque Nacional da Peneda-Gerês, localizado entre o Alto Minho e o Trás-os-Montes, na região serrana ao noroeste do país. Terrenos montanhosos, rios e cascatas compõem a exuberante paisagem natural, na qual se veem animais selvagens, como corças, lobos ibéricos e cavalos. Para os amantes de esportes radicais, há ótimas opções para a prática de canoagem e de escalada. Traços de dois milênios de história se revelam em passeios por mosteiros, castelos e santuários.

Lake District (Inglaterra)

Um dos destinos mais populares entre os britânicos em férias, sobretudo famílias com crianças, o Parque Nacional de Lake District reúne atrações naturais -em torno dos 12 enormes lagos que dão nome à região e que atraem os muitos interessados em canoagem e em pescaria- que podem ser desfrutadas por meio de caminhadas (com diversos roteiros amistosos para carrinhos de bebê e para pessoas com dificuldades de locomoção) e passeios de bicicleta ou com pequenos barcos. Shows ao ar livre ocorrem ao longo do verão. Se chover, a diversão continua: a estrutura coberta do Centro de Visitantes mantém exposições e locais de alimentação e recreação.

Highlands (Escócia)

Região deslumbrante explorada em locações de inúmeros filmes, como “Coração Valente” (vencedor de cinco Oscar, incluindo os de melhor filme e direção, para Mel Gibson) e “Rob Roy – A Saga de uma Paixão”, as Highlands compõem o principal cartão postal da Escócia, com extraordinárias paisagens montanhosas e o maior parque natural do Reino Unido. Altamente indicada para amantes dos esportes de aventura, a região pode também ser uma opção para viajantes interessados em história e cultura britânicas, com diversos castelos medievais e o célebre lago Ness, folclórica morada do monstro mais famoso da Europa -e que alguns juram ter visto. Você pode caçá-lo também.

Pirineus (França/Espanha)

Falou em Pirineus e pensou em inverno, certo? É exatamente por esse motivo que um grande investimento em marketing tem sido feito para que os turistas descubram que essa região montanhosa representa uma pérola ainda não devidamente descoberta durante o verão, com a natureza convidando a passeios por parques e lagos nos dois países pelos quais se espalham suas montanhas. A variedade de opções transforma os Pirineus em opção tanto para os viajantes interessados em agito e aventura, por causa da generosa oferta à prática de esportes radicais, como para os que preferem calma e tranquilidade, e podem se hospedar em spas isolados e protegidos do frenesi de verão.

Por Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *